“Ainda que eu falasse línguas, as dos homens e as dos anjos, se eu não tivesse amor […]” (Paulo de Tarso: I Epístola aos Coríntios, versículo 13)

 

“Estou muito feliz. Chegar até aqui foi um presente inesperado. Tudo me soou familiar: as pessoas, o acolhimento e também a Presença de Maria, que sempre esteve comigo. É como se a Mãe Divina estivesse nos mostrando a força da união e a necessidade de vibrar pela paz e pelo amor para todo o mundo”, relatou a jovem cantora Maya, a respeito do Festival.

A 8ª edição do Festival da Juventude pela Paz ocorreu na cidade de São Paulo no último dia 21 de outubro.O Festival começou com uma sessão de Tai Chi, ministrada pela mestra Jerusha Chang. Tai Chi é um treinamento da natureza aplicado na movimentação circular da energia vital, o que promove equilíbrio, paz e saúde.

Sintonia com Gongos no Festival da Juventude pela Paz de São Paulo

Na sequência, foi servido um lanche gratuito vegano e, logo a seguir, houve uma sintonia com gongos com Jorge Peña. Os gongos são instrumentos antigos e poderosos que levam aquele que escuta a um estado de profunda meditação, que relaxa todo o corpo e produz um momento único de harmonia e cura nos campos físico, emocional, mental e espiritual do indivíduo.

A música dos gongos anunciou e preparou o início da primeira transmissão ao vivo do evento pela internet por intermédio da Misericórdia Maria TV. Vibehouse, banda que mistura ritmos e agrega a riqueza da música popular brasileira em suas letras e melodias, abriu a transmissão com uma boa “vibe” no palco. A cantora e compositora Nicole Salmi fez um “pocket show” com sua música brasileira contemporânea, expressa em sua voz singular.

O atributo do Festival (“Irradiar Amor: Em tudo, que o amor atue primeiro”) foi entoado pelo Coral da Juventude pela Paz. No meio da canção do atributo, Rufino, do Núcleo de Serviço Crer-Sendo, declamou uma letra com o ritmo de rap, mandando uma mensagem de paz que falava sobre o despertar da humanidade para uma vida mais harmônica.

Henrique Moretzsohn e Gabriela de Paula finalizaram a primeira transmissão com uma homenagem ao filósofo espiritualista brasileiro José Trigueirinho Netto. Eles cantaram “Sopro do Espírito”, música cuja letra é de autoria do filósofo. Trigueirinho é uma fonte de inspiração e de instrução para o Festival da Juventude pela Paz e faleceu recentemente na Comunidade-Luz Figueira, situada no sul de Minas Gerais, Brasil.

A “mesa redonda” girou em torno do tema: “Juventude Missionária: quando o amor atua primeiro”. Os jovens componentes da mesa compartilharam experiências de vivências missionárias. Assim como o Festival, a Juventude Missionária pela Paz é uma das iniciativas da Campanha da Juventude pela Paz. As jornadas missionárias da juventude estão acontecendo em várias cidades do Brasil e do mundo. É um ramo da campanha que atua no serviço humanitário e no auxílio aos Reinos da Natureza. Participaram da conversa: Marcela Pardini, que comentou um pouco da experiência da Juventude Missionária em Belo Horizonte; Tássio Tesser, jovem coordenador da Casa de São José, em Carmo da Cachoeira (MG), que acolhe moradores de rua; Sarah Grossi, que testemunhou sua experiência na Missão Roraima Humanitária; e Natália Miyazaki, que anunciou a próxima Jornada da Juventude Missionária na cidade de São Paulo.

O Núcleo de Serviço Crer-Sendo conduziu a “roda” atividade que, desta vez, ficou multicolorida, porque os participantes empunharam e movimentaram um pedaço de bambu com uma fita de cor na ponta.

O almoço vegano e gratuito foi elaborado pela equipe do Centro de Educação Infantil (CEI) Ananda Marga, em uma parceria com a Campanha da Juventude pela Paz. À tarde, a programação seguiu com o Instituto de Educação Projeto Accordes, a Banda de Jovens Crer-Sendo, o cantor Vinicius e a Banda Dínamo.

No meio da tarde, uma rampa de skate foi montada no ambiente do festival. O público se admirou e ficou em torno, curioso. Um skatista, um “BMX” (que anda de bike na pista) e um monge subiram na rampa. Antes das manobras com o skate e com a bicicleta, foram lidos os “Atributos do Skatista da Paz”. Os atributos revelavam que o esporte pode ser uma atividade para se conectar com níveis profundos do ser e para expressar valores, tais como: a fraternidade, a cooperação e a paz.

“Em alta velocidade, encontrar dentro de si o controle e a serenidade absoluta” e “sorrir diante de cada queda, reconhecendo-a como uma oportunidade de recomeço” foram dois dos 20 atributos da lista.

Madayati e Maya no Festival da Juventude pela Paz de São Paulo

A banda Big Up deu a partida eletrizante para a segunda transmissão ao vivo pela Misericórdia Maria TV. A banda levantou o público com seu som envolvente e com uma forte presença no palco.

Madayati e Maya, dois jovens compositores, dividiram o palco. Madayati, nome artístico que significa “aquele que bebe da fonte”, comentou sobre o festival: “Eu acredito na energia da cooperação. A arte está atrelada à doação. O festival é um símbolo de doação, onde cada um se doou por inteiro, com o coração aberto. São pessoas do bem fazendo coisas boas, se responsabilizando e trazendo o melhor à tona”.

Composto por jovens de várias cidades do Brasil, o Coral da Juventude pela Paz finalizou a transmissão ofertando uma música, com letra em espanhol, chamada: “Tu Alma”. Trata-se de uma invocação musical ao contato interno com o Eu Superior: “Sente em teu coração / Escuta em teu interior / Tua Alma te chama”, ressoaram os versos derradeiros da canção.

A grande cerimônia do Festival da Juventude pela Paz terminou com a oferta do sacramento da comunhão ecumênica.